terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Renault - Ciclo de exposições temáticas











Está patente no Museu dos Transportes e Comunicações, desde 14 de Dezembro, no átrio da exposição “O Automóvel no Espaço e no Tempo”, uma mostra de miniaturas dedicadas à marca Renault, assinalando assim o 7.º aniversário desta exposição. Deixamos aqui algumas dicas para todos os leitores e visitantes.


As Origens
1898—Louis Renault e o seu irmão Marcel apresentam um automóvel construído a partir de um triciclo De Dion-Boutton.
O espírito empreendedor de Louis Renault e a sua perícia na mecânica iriam marcar e testemunhar o nascimento de uma grande marca—Renault.A título de exemplo destacamos a invenção da caixa de velocidades de transmissão directa e da transmissão por veio rígido, que permitiu assim, em 1902, a produção do primeiro motor de 2 cilindros para o modelo tipo H. A partir daqui a Renault irá conhecer um período de expansão, ao qual se segue a produção em série, fruto de uma encomenda de táxis para a cidade de Paris.A diversificação na tipologia de automóveis é também objectivo desta marca apostando no fabrico de autocarros, camiões, ambulâncias e motores para aviões e barcos.Durante a 1.ª Guerra Mundial a marca assegura a produção de uma série de componentes—munições, aviões e tanques de guerra— dando-lhe uma posição de destaque e de estabilidade em relação a outras marcas concorrentes (ex. Citröen).


2.ª Guerra Mundial

É um momento de grande viragem para a marca, em função da sucessão de acontecimentos menos positivos que ocorreram:- fábrica da Renault (Billancourt) é bombardeada pelas forças aliadas;- Louis Renault é detido sob a acusação de ter mantido “comércio com o inimigo” e colaborado com as forças nazis;- os seus bens são confiscados e é afastado da gestão da empresa;Após a sua nacionalização, a empresa adopta o nome de Régie Nationale des Usines Renault. O fundador da marca falece muito antes de ver o seu processo na barra do tribunal (1944).
Durante as épocas subsequentes muitos foram os modelos que eternizaram e conferiram renome à Renault: anos 50—Renault Dauphine; anos 60—Floride, Dauphinoise, Renault4, Renault8, Caravelle, Alpine A110, Renault 16, etc.


Renaul na competição
Desde a sua fundação que a Renault apostou forte nas competições alcançando sucessivos prémios em provas históricas. Em 1977 marca a sua estreia no campeonato Mundial da modalidade no Grande Prémio da Grã-Bretanha com o Modelo RS 01.Em 1982 o modelo Renault 9 é eleito o “carro do ano”. Pilotos como Alan Proust e Arnoux na Fórmula 1, Claude e Bernard Marreau no Rali e Bernard Hinault na bicicleta são exemplo das sucessivas vitórias conquistadas pela marca.


Na actualidade
Apesar da marca estar a viver um momento de grandes vitórias, não afasta um período de crise vivido em 1984, que obriga a reformas drásticas e a mudanças de estratégias (supressão de postos de trabalhos, retirada da equipa da Fórmula 1, etc.).No entanto a aposta na diversificação é assegurada, numa tentativa de salvar a empresa de um processo de crise.
Exemplo disso é a criação dos modelos Renault 25 e Space, ainda na década de 80. Mais recentes temos os modelos sobejamente conhecidos: Twingo, Clio e Mégane.


Ambiente e segurança
Em 1986 após alguns ajustes com o Governo Francês parte da empresa Renault é privatizada. Em 2001 vende a sua secção de veículos industriais à sueca Volvo. Actualmente a Renault desenvolve um projecto ambicioso no plano ambiental que visa a redução das emissões de gases com efeito estufa.
Graças ao seu empenho na pesquisa e desenvolvimento de tecnologias, para a melhoria da segurança dos seus automóveis, a Renault é considerada uma referência no que diz respeito à segurança rodoviária.
Desde o Clio III até ao Vel Satis, a marca é hoje o único construtor a disponibilizar uma gama completa ao melhor nível de segurança, tendo muitos modelos atingido 5 estrelas nos Crash Tests Euro NCAP.


Legenda das imagens
imagem da exposição (Arquivo AMTC)
imagens de catálogos da época (Arquivo AMTC)

Nenhum comentário: